sábado, 11 de fevereiro de 2017

Desintoxicações



Wikipedia e Google unem-se para desintoxicar a Internet de insultos.  Investigadores da Wikipédia e do Google pretendem criar um programa informático para moderar os comentários de grandes comunidades na Internet.
                       Público, 8 de Fevereiro de 2017

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Contiguidades necessárias

«Neste momento, está a tentar reforçar-se a componente de formação em contexto de trabalho, aumentando o tempo de formação que os nossos jovens – durante o seu processo de educação e formação – passam nas empresas e que elas também contribuam com resultados de aprendizagem para esse processo de educação e formação.»
                 Gonçalo Silva (ANQEP)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Macroeconomic Management Requires a Drastic Shift

Francesco Seraceno
Gustavo Piga
«2017 could therefore be the year in which EU policy-makers finally acknowledge that macroeconomic management requires a drastic shift and start reshaping institutions accordingly, adapting them to the high-level goals enshrined in article 3 of its Treaty: to aim “at full employment and social progress … while combat[ing] social exclusion and discrimination”. One can only hope that this occasion is not wasted by our leaders. There may not be many others.»
Francesco Saraceno and Gustavo Piga 03 Fev 2017 @ Social Europe



quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Efeméride

Assassinato de D.Carlos e do Príncipe Luís Filipe
01 fevereiro 1908
«(...) Espanha, Inglaterra, Holanda, Dinamarca, Noruega, Suécia, Bélgica, Principado do Liechtenstein, Grão-Ducado do Luxemburgo, Principado de Andorra, Principado do Mónaco. Estes são os países mundiais com maiores índices de desenvolvimento e com democracias mais avançadas, onde a protecção social é eficaz e com elevada qualidade, o ensino é excelente, a corrupção inaceitável e quase inexistente e a justiça funciona. Foi isto tudo que os partidários de um partido com assento parlamentar, mas que nunca haviam alcançado o poder via eleições, decidiu cobardemente acabar, à bala, assassinando o rei e o príncipe herdeiro e abrindo a porta a um regime que, desde que nasceu, oscila entre ditaduras e banca rotas. E o mais grave é que não permite referendos sobre a natureza do regime. (...)» António 

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Progresso ainda não verificado, riscos importantes, objetivos cruciais



«On Portugal, it was good to learn that the recovery is underway and progress achieved on the fiscal and financial sector front. However, there are important risks in the medium term and there is no room for complacency. It is crucial that Portugal commits and stays committed to the reform agenda, given the need to boost potential growth also in the context of the still high debt and volatile market conditions. The Portuguese government is aware of these challenges and determined to tackle them.» 

Remarks by J.Dijsselbloem (president) following the Eurogroup meeting of 26 January 2017   [@ doc]

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Efeméride

30 de Janeiro de 1581
Falecimento de João de Castilho

O maior arquiteto português do século XVI e um 
dos grandes da Europa do renascimento

domingo, 29 de janeiro de 2017

Artes

Excerto «D.Jaime» de Thomaz Ribeiro

Efeméride

Fernandes Tomás in pormenor do quadro de Veloso Salgado

As Cortes decretam a celebração de exéquias nacionais pelo falecimento de Fernandes Tomás 
29 de janeiro de 1832


«A LIBERDADE DE IMPRENSA TRAZ CONSIGO MALES, E MALES NÃO PEQUENOS; MAS OS QUE RESULTAM DA CENSURA PRÉVIA SÃO MAIS E MAIORES».

A opinião que eu segui na comissão das bases da Constituição, quando se tratou da liberdade de Imprensa, foi resultado de minhas reflexões a este respeito e do cuidado com que procurei até agora combinar o que me tem sido possível ler na matéria. Não se espere pois que sejam hoje diversos os meus princípios. O que vou dizer é o que sinto e de que estou intimamente convencido.
A liberdade de Imprensa traz consigo males, e males não pequenos; mas os que resultam da Censura previa são mais e maiores: aqueles podem remediar-se em grande parte, podem até evitar-se de modo que a Sociedade tenha pouco que sentir; estes não, porque eu não concebo a possibilidade de existir um Governo Constitucional, ao modo que a Nação o espera e deseja, sem a liberdade de Imprensa.
A experiência é argumento a que nunca se responde vitoriosamente. Veja-se o que temos sido e o que são os povos sujeitos a uma Censura prévia, e conhecer-se-à que repugna ser livre sem ter meios de observar a Liberdade; e querer conservar a Liberdade, não escrevendo senão à vontade dos que a podem oprimir ou destruir, é uma pretensão quimérica.
Censura prévia é o juízo de uma Junta composta quando muito de seis homens; e nisto diz-se que uma Nação não deve saber senão o que sabem seis homens ou o que eles querem que se saiba. Para qualquer poder falar, para poder obrar no país mais despótico do Mundo, nunca foi obrigado a consultar a vontade de uma Junta; por que razão não terá ele o mesmo direito quando escreve em Portugal? No primeiro caso compara-se a acção do Cidadão com a Lei e aplica-se-lhe depois a pena, se ele tem abusado; e neste pretende-se que ele seja punido antes de delinquir, principiando por tirar-lhe a Liberdade, que é o maior castigo que se pode dar ao homem e ao Cidadão, porque o priva do maior direito. Mas diz-se que o bem da Sociedade pede que em tal caso se modifique este direito, assim como acontece no uso da propriedade; eu porém, convindo no princípio, nego a sua aplicação, porque não vejo, nem alguém mostrou ainda, a necessidade ou a utilidade da medida, e era preciso primeiramente ter provado uma e outra coisa.
Com glória da minha pátria, tenho ouvido que todos os Ilustres Preopinantes convêm na liberdade de Imprensa em matérias que não sejam religiosas ou morais, porque os poucos que julgaram necessária a Censura prévia declaram que era tanto quanto podia isso prevenir o ataque feito aos costumes ou à decência pública. Assim vem a questão somente a limitar-se ao artigo 1U: das bases, que fala do direito reservado aos Bispos, em matérias religiosas, para poderem censurar a doutrina e da obrigação do Governo em os auxiliar para castigo dos delinquentes no abuso.
Aqueles que opinaram pela liberdade de Imprensa em matérias políticas supuseram que ela não atacaria o Edifício social, e portanto não podiam supor, agora, que ataque o Edifício religioso, porque os homens não mudam tão facilmente de ideias religiosas como de ideias políticas. Mas se se admite o risco próximo e imediato da destruição da Sociedade, não havendo Censura prévia, como querem conservá-la nas matérias religiosas? Acaso poderá existir o Sacerdócio, destruído o Império?
A Religião nasceu com o homem, e há-de acabar com ele. Não se espere outra coisa. A esta certeza juntemos a promessa do Divino Pregador da crença de nossos Pais. Responde-se que ele prometeu e afiançou a existência da Igreja, mas não em toda a parte, pois que ela floresceu na Ásia e já lá não floresce. Porém acaso a liberdade de Imprensa, que não existia ainda, faria estes males nessa parte do Mundo?
Tem-se dito também e repetido que é preciso não esquecer a Reforma de Lutero e os estragos que causara no mundo, porque tudo nascera da liberdade de Imprensa: mas não será difícil mostrar que esta época tão fatal à Religião foi o resultado das relações políticas dos diversos Estados com o Império da Alemanha, das ideias desfavoráveis que os abusos da Corte de Roma fizeram nascer contra o Chefe da Igreja e, finalmente, do estado das luzes que séculos antes principiavam a raiar na Europa, ainda antes da invenção da Imprensa.
De tudo fácil é deduzir que a liberdade de Imprensa em matérias de Religião apenas pode causar algum escândalo às almas piedosas enquanto o Bispo não declara o erro da doutrina e o Governo não castiga o delinquente; mas isso é um mal de pouca monta se se consideram os outros que nascem do sistema contrário.
Se, para evitar o escândalo, se deseja uma Censura prévia e proveitosa, vigiem os Pastores nos rebanhos, mas vigiem com cuidado: preguem as verdades da Religião; ensinem a moral com a palavra e com o exemplo de suas acções verdadeiramente apostólicas e não se tema que uma ou outra ovelha desgarrada deixe de voltar ao curral; e, enquanto não volta, não se tema também que as outras sigam seu exemplo. Se o escândalo produzisse necessariamente esse resultado, teria acabado a moral e até a ideia de um Deus; porque os escândalos existem desde que existem os erros e os pecados.
Que na Espanha se deixasse aos Bispos a Censura prévia nestas matérias, não é para mim argumento: os Espanhóis tiveram os seus motivos; nós podemos ter outros 13. Em Portugal nunca os Bispos censuraram um livro antes de se imprimir, e eu não entendo que seja necessário conceder-lhes agora essa autoridade quando vamos fazer uma Constituição Liberal. Diz-se que a Nação não está preparada para tanta luz: o uso sublime da razão é dote do homem de qualquer país: não aniquilemos tanto os Portugueses.
Ninguém nega que seja melhor prevenir os crimes do que castigá-los; mas nego eu que a Censura prévia previna os abusos que se podem seguir da liberdade de Imprensa. Ou um Escritor teme as penas da Lei que lhe proíbe atacar a Religião e os costumes, ou não teme. No primeiro caso não escreve, e escusa-se portanto Censura prévia; no segundo escreve sempre, e é inútil por isso essa Censura.

in Augusto da Costa Dias, Discursos sobre a Liberdade de Imprensa no Primeiro Parlamento Português (1821),

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

sábado, 14 de janeiro de 2017

domingo, 1 de janeiro de 2017

Artes




Urgente 

Urgente é construir serenamente
seja o que for, choupana ou catedral,
é trabalhar a pedra, o barro, a cal,
é regressar às fontes, à nascente.


É não deixar perder-se uma semente,
é arrancar as urtigas do quintal,
é fazer duma rosa o roseiral,
sem perder tempo. Agora. Já. É urgente.


Urgente é respeitar o Amigo, o Irmão,
é perdoar, se alguém pede perdão,
é repartir o trigo do celeiro.


Urgente é respirar com alegria,
ouvir cantar a rola, a cotovia,
e plantar no pinhal mais um pinheiro.

Poesia II (1969)

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Touch on students’ lives


«Schools become challenging and exciting places when study relates to the community and to issues that touch on students’ lives.»

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Efeméride

Bartolomeu Dias

Bartolomeu Dias, depois da descoberta do Cabo das Tormentas, regressou a Lisboa em 19 de Dezembro de 1488. Apud IC

sábado, 10 de dezembro de 2016

Lighter touch



«The lighter your touch, the better you become at improving and enriching your performance. Those who embrace their roles and work to improve their performance grow, change and expand the self. Play it well, and your days will be mostly joyful.»
                                David E. Galinsky apud TED

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Rascunhos



Para a situação de incerteza presente confluíram fatores claramente identificáveis: 1) a globalização comercial e a entrada num novo milénio com uma rutura tecnológica profunda (a rede digital), 2) o discurso de ódio ampliado à escala global pelo terrorismo e com contaminação global inclusivamente em democracias, 3) a perceção enganadora da realidade transmitida pelos meios de comunicação com ou sem os veículos digitais incluídos (distanciando factos contra perceções)... Não é, pois, de admirar que as "reversões" estejam na moda, aqui e em todas as partes.  
4) Contudo, a fonte de incerteza também está na comunicação-espetáculo, na comunicação social que veicula insultos no espaço político, com pouca voz do interesse público consensual, com pouca vocação para expressar o bem-comum. Aí reside uma das nossas menos interessantes capacidades de transformação positiva, naquilo, repito, que é consensualmente pertencente ao ideário democrático. 
5) Mas também o problema está nas lideranças políticas com alternativas pouco profundas, pouco interessantes, por vezes medíocres, e de curto prazo ou sem visão ou sem explicitação de seus objetivos a longo prazo.
6) Está a causa dos nossos problemas também na evasão fiscal e na corrupção que tem vivido confortavelmente para nosso escândalo e para descrédito do setor político e do setor económico-financeiro. 
7) Está também a causa dos problemas presentes tanto na incapacidade de alavancar capital como na falta de orientações credíveis de negócio. 
8) Estão os nossos problemas ancorados a) na falta de investimento em pensamento estratégico e b) na falta de centralidades potenciadoras e agregadoras, de identidade cultural e inovação económica (pelas  criação de centralidades nas cidades, nas freguesias, nas aldeias, nas instituições da sociedade civil), de modo a que a desigualdade não perdure e se não instale.
9) Está também como causa das incertezas que vivemos a dificuldade de ver o que fazer, o que  empreender. Mas esta é basicamente um problema que nos advém da pedagogia em curso que, não atentando nos objetivos pedagógicos, vive mais para a matéria, assentando o processo de ensino-aprendizagem no método expositivo em vez do muito mais eficaz método colaborativo, quando centrado no pertencer, no problematizar e no fazer.

Imagens de Portugal


quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

ExCertos

Imagem de Publico

«Portugal conta. O País tem merecida reputação de parceiro fiável, que cumpre, de aliado sem falhas, que não hesita nas escolhas fundamentais, e de construtor de pontes entre várias regiões e de "blocos" de um mundo demasiado dividido.» Texto @ visão.pt



segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Imagens de Portugal




«(...) Lisbonne m'est apparue comme une sorte de paradis clair et triste;»
Antone de Saint-Exupéry, Oeuvres, «Lettre à un Otage» (1940), Paris, Gallimard, Pléiade, 1959, pág. 389

sábado, 19 de novembro de 2016

Leonard Cohen - So Long, Marianne

Poética dos Mares V

in JEM



Mar, êxtase e sagração


«Primeiro dia», «clareza», «primeiro amor», «inteireza», «praia extasiada e nua», são algumas das expressões que nos abrem para uma textualidade indicadora de um sujeito poético que ouviu, viu e foi transportado numa praia atlântica e sagrada, num aqui e agora maravilhoso, num tempo e liberdade apaixonantes, de lúcidez exuberante:

Aqui nesta praia onde
Não há nenhum vestígio de impureza,
Aqui onde há somente
Ondas tombando ininterruptamente,
Puro espaço e lúcida unidade,
Aqui o tempo apaixonadamente
Encontra a própria liberdade.
Sophia de Mello Breyner Andresen (Assírio & Alvim, 2013-1958)

A noção de perfeição acontece através contemplação marítima, emergindo uma transformação da qualidade temporal, dispondo um sujeito que transcende a temporalidade vulgar, cujo início são as musicalidades do mar:

(...) Musa ensina-me o canto
Onde o mar respira
Coberto de brilhos (...)
Sophia de Mello Breyner Andresen (Morais, 1962)

A alteração qualitativa, no modo de sentir e ver, acontece pelo subir da musicalidade do mar na consciência que se extasia, manifestando um acontecimento que vai descobrindo-se em espaço separado da agitação trepidante, discordante e dissonante. É o êxtase poético... que abre o sagrado e novo espaço, então oculto, porém pela poesia recriado, renovador e identitário.
Um terceiro momento desta iniciação ao mistério que o mar proporciona acontece numa recorrente e perene intuição em vários poetas: a subida do mar ao céu, criando a fusão do mar com o céu, onde este se espelha e se poderia identificar, na confusão entre o mar em baixo e o céu de em cima. Na metafórica subida do mar ao céu, é evocada a transmutação do estado subjetivo, do consabido para o lírico, onde a visão passa a conhecer cada momento como novo. É exemplar para uma demonstração este excerto:

.... O mar sobe ao céu
(...)
Hoje é o dia
o momento
a hora inadiável.
Cada dia
é o derradeiro sopro
da flauta da Criação.(...)
José Fanha (Campo das Letras, 2002)

Eis o mundo de novo desocultado, revelado junto ao mar e separado do buliçoso mundo. Instaura-se uma densidade temporal alternativa, que atestada por experiência e memória únicas, revela o inefável a partir do marítimo:

(...) Ah, quem pudesse ouvi-lo sem mais versos!
Assim puro,
Assim azul,
Assim salgado...
Milagre horizontal
Universal,
Numa palavra só realizado.
Miguel Torga (D. Quixote, 2011-1968)

E nesta transmutação até ao inefável, o verbo poético propicia perante a exaltação e imensidão do mar, a perspetiva de um vaso humano pequeno e recipiente, apenas como uma

(...) Estreita taça

A transbordar da anunciação

Que às vezes nas coisas passa.

Sophia de Mello Breyner Andresen (Assírio & Alvim, 2013-1938)

O imenso e o inefável é já caminho do poeta, desde a orla da praia, por um jardim à beira-mar, num trajeto que vai além de um antes já conhecido e que, depois, súbita e abruptamente se encontra num plano de referenciação novo. Nesta passagem por passos distintos e sequenciais alça-se o poeta à experiência de um ser purificado, como num puro amor primeiro, num claro viver e saber, numa tão clara impressão que nenhuma outra semelhante lhe veio à vida. A força, a originalidade e ineditismo, a surpresa e o arroubo de tal experiência marítima e poética se constituirá em lembrança permanente, e nunca mais poderá ser obliterada da história pessoal:

(…) Ó claras Ninfas! Se o sentido
em puro amor tivestes, e inda agora
da memória o não tendes esquecido;
(…) lembranças, que me acompanhavam
pola tranquilidade da bonança,
nem na tormenta grave me deixavam.
Luís de Camões, in Lírica (1595)

Os carateres do mar, as suas distinções entre as realidades, sua índole, seus sinais e símbolos, os aspetos de seu existir, sua beleza diversa e medonhas faces, torna-o em espaço privilegiado de entrada a um diferenciado acontecer subjetivo. Desde a orla do mar, onde se convolou a perceção do ordinário dia ao espetáculo do novo, o caminho verte-se então para o centro na subjetividade criadora, à semelhança da arte antiga e erudita, como outrora Delphos o fora para a Hélade:

Desde a orla do mar
Onde tudo começou intacto no primeiro dia de mim
Desde a orla do mar
Onde vi na areia as pegadas triangulares das gaivotas
Enquanto o céu cego de luz bebia o ângulo do seu voo
Onde amei com êxtase a cor o peso e a forma necessária das conchas
Onde vi desabar ininterruptamente a arquitectura das ondas
E nadei de olhos abertos na transparência das águas
Para reconhecer a anémona a rocha o búzio a medusa
Para fundar no sal e na pedra o eixo recto
Da construção possível
Desde a sombra do bosque
Onde se ergueu o espanto e o não-nome da primeira noite
E onde aceitei em meu ser o eco e a dança da consciência múltipla
Desde a sombra do bosque desde a orla do mar
Caminhei para Delphos
Porque acreditei que o mundo era sagrado
E tinha um centro
Que duas águias definem no bronze de um voo imóvel e pesado (...)
Sophia de Mello Breyner Andresen (Caminho, 2011-1972)


Esse centro permanecerá em símbolos como vértice interior à vivência poética e humana. Um grito, como o relâmpago puro que fere, rompe e estremece a existência, revela a humanidade em sua nudez, onde apenas é querendo, perseguindo e indagando a selvagem exaltação das ondas:


De todos os cantos do mundo
Amo com um amor mais forte e mais profundo
Aquela praia extasiada e nua,
Onde me uni ao mar, ao vento e à lua
.
Cheiro a terra as árvores e o vento
Que a Primavera enche de perfumes
Mas neles só quero e só procuro
A selvagem exalação das ondas
Subindo para os astros como um grito puro.
Sophia de Mello Breyner Andresen (Companhia das Letras, 2004-1944)

A partir desse grito, emitido noturnamente na praia extasiada e nua, depois de nos embrenharmos pela audição do antigo cântico do mar, se fez ouvir então um cântico, quiçá com lágrimas, o

(...) cântico da longa vasta praia
Atlântica e sagrada
Onde para sempre minha alma foi criada
Sophia de Mello Breyner Andresen (Caminho, 2004-1997)


Esta música marítima pode abrir a consciência fora dos limites da ordem do dia. A vida humana perpassa, ainda que breve, por acontecimentos inolvidáveis, e se o horizonte puro, sagrado, é aberto ao sujeito poético junto ao mar e propicia o êxtase:

Onda de sol, verso de ouro,perífrase vã. Extasiar-me,
antes, por esta fusão,
mistura de brilhos. Ou, ainda
mais íntima, a consciência
extensa como o céu, o corpo de tudo,
semelhança absoluta. Respirar
n
a quebra da onda. Na água,
uma braçada lenta
até ao limite de mim.

Fiama Hasse Pais Brandão (Assírio & Alvim, 1989)

A partir deste espaço poético, desde a orla do mar e de suas musicalidades, onde o êxtase é possível na consciência tocada pelo inefável, começa uma consciência extensa como o céu, onde tudo começou intacto como num primeiro dia, e onde outro nasceu de tudo quanto viu (Sophia de Mello Breyner Andresen, Caminho, 2010-1972), aí

Tudo era claro:
céu, lábios, areias,
O mar estava perto,
fremente de espumas,
Corpos ou ondas:
iam, vinham, iam,
dóceis, leves – só
ritmo e brancura.
Felizes, cantam;
serenos, dormem;
despertos, amam,
exaltam o silêncio.
Tudo era claro,
jovem, alado.
O mar estava perto.
Puríssimo. Doirado.
Eugénio de Andrade (Assírio & Alvim, 2013-1961)


Contudo, não podemos aceder a esta experiência sem passar no jardim marítimo. Junto ao mar há um jardim, milagrosamente debruçado sobre a imensidão de mar que o limita, um jardim suspenso sobre o mar, e contra este jardim à beira-mar vem toda a cavalgada marítima:

Vi um jardim que se desenrolava
Ao longo de uma encosta suspenso
Milagrosamente sobre o mar
Que do largo contra ele cavalgava
Desconhecido e imenso.
(...)
Sophia de Mello Breyner Andresen (Assírio & Alvim, 2013-1938)


É um jardim inóspito, metáfora da vivência humana perante o mar, lugar apenas onde perduramos, perante a convivência com a enormidade da grandeza e das suas potências dramáticas, líricas e trágicas. As flores desse jardim são selvagens e duras, têm cactos torcidos, tem areia branca e rochas escuras, pinheiros magros, ali passa o vento áspero e salgado. A devastação é operante e sinaliza a indomável violência do mar. É um jardim passagem obrigatória à proximidade do mar. É um lugar semidesértico, inabitável, próximo da morte, tanto pelos duros elementos como por um obscuro tormento, pela exaustão onde termina o aconchego humano, e paradoxal, onde morre a fala pelos mil esplendores de que o mar se reveste em cada hora (Sophia de Mello Breyner Andresen, Assírio & Alvim, 2013-1938). A partir deste quadro existencial, com o mar imenso e musical em frente, se pode reconhecer melhor a profundidade e a pujança das forças anímicas que o mar liberta e proporciona simbolicamente à nossa disposição humana. A este respeito atente-se neste excerto da prosa de Herculano: «(…) [O] vento e o oceano são as duas únicas expressões sublimes do verbo de Deus, escritas na face da Terra quando ainda ela se chamava caos. (…). Que tinham eles [os homens], de feito, com essas [suas] existências, mais passageiras e incertas que as correntezas de um e que as ondas buliçosas do outro?» (Alexandre Herculano, Euríco, o Presbítero, Edi9, 2010). A existência de uma desmesurada imensidão em correnteza buliçosa, violenta e sem sentido, é a representação do mar e de uma divindade mais antiga que a criação do homem, numa existência em pureza e inutilidade. A existência do mar está mais perto do divino primordial e sem rosto. O mar, como natureza que antecede o homem, voga sem alguma teleologia que o enforme, e só pode ser vivenciado como uma primordial dinâmica, original ímpeto do caráter poético:

Eu não sou quem fiquei; o meu delito
Lá anda atrás de forma mal formada
Pelo convés do vento, p´la amurada
Do mar interno e franco onde me agito.

Passaporte caduco...As fronteiras que invado
São migalhas de sombra e restos de sentido.
Tudo é fragmento em verbo diluído
Através do convés lentamente embalado.

Eu não sou quem, atado, coincide
Com foto de cartão de identidade.
Sou memória dum mundo que me invade,
Sou espaço que o ar prensa e divide.
José Martins Garcia (Salamandra, 1996)

Roteiros Reais


Será no próximo dia 26 de Novembro pelas 10:00 que a Real Associação de Lisboa realiza uma visita guiada ao Palácio Nacional da Ajuda no âmbito da rubrica Roteiros Reais.

De novo sob os holofotes da opinião pública pela polémica conclusão da ala norte, este Palácio foi residência oficial da Família Real Portuguesa entre 1861 e 1910. A Ajuda surge no local onde, depois do fatídico dia 1 de Novembro de 1755,  D. José instalou a sua residência, que ficou conhecida como a "Real Barraca". Palco de vários acontecimentos políticos, sociais e familiares, ficou para sempre consagrada como o Palácio dos Reis de Portugal, em Lisboa. Venha conhecer a interessante história da Ajuda, dos seus arquitectos, decoradores, e de quem o habitou, a Família Real Portuguesa.

Esta visita, que será guiada pelo nosso associado Joel Moedas Miguel e por Pedro Fortes da Silva, tem lugares limitados e um custo de € 10,00 por pessoa. O ponto de encontro será no Terreiro fronteiro ao Palácio.

Para mais esclarecimentos e inscrições contacte-nos através do endereçosecretariado@reallisboa.pt, pelo telefone 21 342 81 15 ou presencialmente na nossa Sede nos horários habituais.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Quarenta anos passados


Quarenta anos passados sobre o falecimento do Senhor Dom Duarte Nuno, importa lembrar o pensamento e a acção deste nosso Príncipe.

É o que faremos no dia 3 de Dezembro, às 15:30, no Grémio Literário (Rua Ivens, 37, Metro: Baixa-Chiado), ouvindo os Profs. Doutores Pedro Soares Martinez e Fernando Amaro Monteiro. Entrada livre, sujeita à disponibilidade do local.

Após a sessão terá lugar um chá, opcional, presidido por SS.AA.RR. os Senhores Duques de Bragança e com o custo individual de 10,00 eur.

Para mais esclarecimentos e inscrições contacte-nos através do endereçosecretariado@reallisboa.pt, pelo telefone 21 342 81 15 ou presencialmente na nossa Sede nos horários habituais.